Existe um provérbio chinês que diz o seguinte: “Antes de começar o trabalho de mudar o mundo, dê três voltas dentro de sua casa”, isto é, procure mudar suas atitudes dentro do lar. Se você deseja ser uma benção para a igreja e para o mundo, seja-o primeiro para sua família.

A Bíblia registra os acertos e os erros dos homens. O rei Davi, por exemplo, é lembrado na História, como um líder vitorioso. Venceu o gigante, superou a perseguição de Saul, peregrinou foragido em sua própria terra, refugiou-se na casa de seus antigos inimigos e, na perseverança do Senhor, reinou sobre Israel. Por outro lado, fracassou diversas vezes em casa, onde enfrentou adultério, mentira, incesto, competição e trágica rebeldia.

A lição que podemos extrair é a necessidade de não perdermos o privilégio de ser bênção perto, na família, antes de sê-lo para o mundo.

É verdade que é mais fácil ser um modelo para as massas que nos veem de longe do que para um único indivíduo que caminha conosco. É mais fácil brilhar em um púlpito do que exercer paciência com a esposa. É mais fácil admoestar uma congregação do que ser modelo para os filhos.

No livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 13, encontramos a igreja orando e enviando os primeiros missionários. Lemos que, “servindo eles ao Senhor, disse o Espírito Santo…” O verbo “servindo” (leitourgounton), usado no texto, aponta para aqueles que serviam ao Senhor como leitourgoi, servos.

Havia três formas de “servir”, no contexto neotestamentário:

Como doulos, o escravo – Nas palavras de Candus, aquele que pessoalmente acompanha seu Senhor para realizar os desejos do seu coração. Portanto, doulos, no contexto do Novo Testamento,  é aquele que tem um compromisso direto com Deus e O serve pessoalmente.

Como diakonos, o mordomo – Aquele que serve o seu Senhor por meio do serviço à comunidade cristã. Nas Escrituras, o termo é usado para os que cooperam para suprir as necessidades do povo de Deus – e, com isso, servem a Deus.

Como leitourgos, o edificador – O termo, ligado à leitour-gia (liturgia), não é restrito como o usamos hoje. Refere-se àquele que serve ao Senhor sendo usado por Ele para abençoar (edificar) o seu irmão. Essa é justamente a raiz do verbo que expressa que Paulo e Barnabé “serviam” ao Senhor. Afirmava, assim, que antes de tudo, eles eram abençoadores do Corpo de Cristo, em Antioquia.

Percebo que a primeira característica apontada a respeito desses dois homens que espalharam o Evangelho pela Ásia, Acaia, Macedônia e Galácia não foi a competência intelectual, o título ministerial ou a profundidade teológica, mas sim a fidelidade a Deus, sendo uma bênção para os que estavam perto.

Querido, tome a decisão de amar e cuidar da sua família. Saiba que jamais conseguiremos amar se nossa agenda diária estiver repleta de palavras de ofensa, competitividade, ciúmes, falso zelo, discórdias, comparações desnecessárias, soberba e agressões.

Veja o que o apóstolo Paulo registrou: “Se alguém não cuida dos seus, e especialmente dos da sua família, tem negado a fé, e é pior que um incrédulo” (1Tm 5.8).

Sua família é o que você tem de mais precioso na terra depois da salvação. Portanto, procure ser uma benção para ela.

Que o Eterno nos ajude para que sejamos sal da terra e luz do mundo, mas também abençoadores dos de perto, especialmente da família.

Seu pastor

Rev. Romildo Lima de Freitas

 

Share →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *